Ler contos eroticos

Compartilhe
Favoritos | Feeds

A professora tarada

Postado 15/12/2011 em Travestis

 

Há uns anos atrás eu estudava Inglês num curso perto da USP. E tinha aula com uma professora japonesa muito gostozinha...era uma delícia...tinha uma carinha delicada, parecia uma bonequinha de louça embora fosse alta 1,70m e esguia, quase da minha altura tinha uma sorriso doce e meigo,peitinhos pequenos mas rígidos, sempre usava uma saia curtinha que mostrava um belo par de pernas lizinhas branquinhas, usava uma sandálinha bem fininha deixando mostrar os pézinhos delicados e bem tratados dedinhos bem contornados, unhas bem contadas e pintadas de vermelho...um dia, a gente começou durante a aula a ficar meio se olhando...de vez em quando ela me dava um sorrizinho diferente...e eu fui me interesssando até que um dia resolvi criar coragem,  e depois da aula me ofereci para leva-la em casa...e depois disso volta e meia eu levava ele em casa de carro, até que um dia ela pareceu meu triste disse q ue o noivo dela tinha trocado ela por uma amiga que ele conheceu na academia.

Nesse dia ela me convidou para ir no apartamento dela tomarmos um chá...logo fiquei empolgado, tava louco para ir para a cama com ela...fiquei com tesão só imaginando durante o caminho. Quando chegamos no ap dela ela ja foi logo tirando as sandalias, deixando-as logo na porta e me dizendo para fazer o mesmo para que eu ficasse à vontade e sentasse no sofá enquanto ela preparava o chá..dali a pouco ela veio e trouxe duas xicaras, tomamos o chá e começamos a conversar. Ela começou desabafando as mágoas do noivo e disse que se sentia protegida ao meu lado...logo depois...em dado momento ela me acariciou o rosto e me deu um delicioso beijo de língua bem lascivo...disse que me adorava desde o primeiro dia em que me viu e começou a passar a mão na minha perna despertando meu tesão...fui me soltando e também fui acariciando as perninhas dela, lisas e delicadas , branquinhas...enquanto ela tirava minha camisa, fui abrindo sua blusinha expondo os peitinhos dela apertadinhos num sutiã transparente. Em seguida, tirei a sainha dela deixando-a só de calcinha e sutiã.

Comecei a acaricia-la nos peitinhos por baixo do sutiã deixando ela com os mamilos durinhos,louquinha de tesão, fui despindo ela bem devagar deixando-a só de calcinha fui descendo encostando os lábios na pele macia dos seios, na barriguinha...ela por sua vez terminou de me despir me deixando nuzinho me virou de costa e começou a acariciar minha bundinha lizinha bem de leve, passando o dedinho no meu reguinho afundado pouco a pouco até tocar meu cuzinho...achei aquilo um pouco estranho mas acabei gostando fui ficando muito excitado...depois me virei e tirei a calcinha dela e qual nào foi meu espanto quando saltou para fora um pauzão enorme e bem duro... a principio fiquei paralizado, assustado...como poderia uma japonezinha tão suave e delicada com aqu ele pauzão enorme, bem duro, cabeça vermelha, latejando...ela me disse que podia chupar se quisesse, e eu não fiz cerimonia peguei aquele pauzão lindo e comecei a acariciar, beijei e segurei aquela coisa dura e gostosa contra meu rosto passei a língua no saco dela lizinho chupei devagar as duas bolas e deixei minha "japonezinha" em ponto de bala...depois virei meu cuzinho piscando de tesão e ofereci a ela, que sem demora passou um creminho KY e  já encostou a cabeça daquele cacetão duro que escorregou para dentro do meu cuzinho com facilidade e logo já iniciou o entra e sai...foi um tesão inequecível...que noite!

...ela adorou comer meu cuzinho...gozou que nem louca...minha professorinha agora não pensa noutra coisa depois da aula.

 

s New R#�"m���ont-family:"Times New Roman";color:black; mso-fareast-language:PT-BR'>Coloquei no seu cuzinho que por sinal estava muito gostoso e quando fui gozar ela pediu pra eu gozar na sua boca e assim fiz, foi tudo de bom...

 

 

es Ne� mn���idi-font-family:"Times New Roman";color:black;mso-fareast-language:PT-BR'>Ela se sentou novamente ao meu lado e disse que sua tia só chegaria mais tarde por conta da forte chuva. Adorei. Com tanta excitação, foi a minha vez de sentar sobre ela. Virei-me e sentei em seu colo, como ela antes fizera. Beijei-a calmamente, pois agora teríamos todo tempo para nos amarmos.

 

 

Ela voltou a acariciar-me, adorei, continuamos com o beijo molhado, intenso e maravilhoso, e eu também a acariciava. Seu rosto, seios, pescoço, tudo que alcançava naquele momento era apalpado. Entre um beijo e outro, soltava gemidos para provocá-la. Logo senti sua mão subindo sobre minha coxa, levantando a saia. Ela apertava, provocando-me. Sua forma de me acariciar era suave, mas ao mesmo tempo ousadas sempre buscando meu sexo que há essa hora já estava bem mais do que molhado.

Quando sua mão alcançou entre minhas pernas, meu gemido foi maior. Ela colocou a calcinha pro lado, levantei-me um pouco mais para que ela me tocasse com facilidade. Nossos lábios continuavam grudados, em um beijo que se fazia necessário. Eu era puxada contra seu corpo, da mesma forma que ela, eu precisava sentir seu calor, sua pele.

Já não agüentava mais, fiquei em pé sobre o sofá e tirei a calcinha, minha saia já não era problema, o que eu queria era somente pertencer a aquela mulher, satisfazê-la e me satisfazer. Ser dela e fazê-la minha.

Apesar de adorar me provocar, vi que ela já não estava agüentando, foi então que em seu ouvido pedi que me fizesse sua mulher, que me possuísse e me amasse. Ela não se fez de rogada e me penetrou de forma magnífica, com força. Claro que não tive resistência, deixei que ela usasse meu corpo para seu único e exclusivo prazer.

Já não podia controlar meu desejo, estava a ponto de explodir, mas queria ainda dar prazer a minha amada. Deitei-a no sofá e fiquei por cima, sua mão ainda me explorava, minha boca desejava a sua. Nossos corpos tremiam, suavam. Ela me tocava e eu gemia bastante. Com tanta excitação não me agüentei, gozei em seus dedos. Ela me beijou devagar, fui me acalmando, seus dedos continuavam a me tocar. Deitou-me sobre o sofá, sua boca percorria meu corpo, meus seios, até chegar ao meu sexo. Aquela língua quente me penetrava, sugando meu mel. Arrepiava-me, me enlouquecia. Após me secar toda, ela me convidou para um banho, sem resistência nenhuma fui conduzida até o banheiro. Amamos-nos novamente no chuveiro, dessa vez de forma mais romântica, todo aquele amor era demonstrado por beijos, leves toques, palavras de afeto. Seu sexo junto ao meu era o que agora nos satisfazia. A chuva continuava, e o barulho nos deixava ainda mais envolvidas, desligadas de tudo que acontecia após aquelas paredes. Meu gozo foi espontâneo, senti que ela também estava no auge. Beijei-a. Ao terminar realmente o banho, fomos para a cama. Ficamos abraçadas, trocando caricias por horas, sua tia avisou que voltaria apenas no outro dia, e passamos a noite juntas.

E naquela noite, tive a certeza de que aquela era a mulher da minha vida, aquela que não só me satisfazia na cama, mas que fazia com que eu me senti-se amada, me fazia amá-la da forma que jamais havia amado.

Infelizmente o que é bom nem sempre dura muito, e logo o ciúmes e outras coisas nos afastaram. Mas jamais vou esquecer-me daquele sorriso, das brincadeiras, e daquela menina que me fez tão bem.

Esse guardei a sete chaves pra você!


Tags: travesti sexo com travesti ler contos eróticos travestis contos eroticos com travestis ler contos eroticos de travestis

categorias