Ler Contos Eroticos » Incestos » Comendo minha sobrinha nas férias

Comendo minha sobrinha nas férias

  • 2 de Março de 2018
  • 680 views

Conto de Incesto: Comendo minha sobrinha nas férias

Comendo minha sobrinha nas férias. Eu tenho 48 anos, sou engenheiro e divorciado. Só tenho duas irmãs e sou bem unido com elas e com minhas 3 sobrinhas, mas uma em especial, a Alice, sempre foi diferente das outras. Hoje ela tem 20 anos, e isso aconteceu a 2 anos atrás. Ela sempre vinha passar as férias aqui em casa. Moro em Belo Horizonte e ela vive com minha irmã em Ouro Preto.

Ela é uma loirinha de pele clara, magrinha, deve ter uns 50 quilos e 1,60 de altura. Ela é toda bem distribuída, tem cabelos longos e é super gata. Eu babava nela e ela sempre achou que essa paparicação toda era só pelo fato de eu ser um tio coruja, mas na verdade eu tava louco pra comer ela e se um dia ela me desse mole, com certeza eu não pensaria duas vezes, mas para minha surpresa esse dia tão sonhado chegou.

Em Julho de 2016 ela veio pra cá, ela tava toda animada, ia ficar 15 dias aqui comigo, ela tinha amigos aqui no prédio onde eu moro, já que ela sempre vem pra cá desde nova. Quando ela chegou vi que ela tava diferente, ela tinha começado a malhar, tava gostosa pra caralho, lembro que nesse dia toquei uma bronha pensando na visão dela descendo do ônibus de shortinho e com uma regata bem justinha. Um tesão essa safada!

Ela também tava mais atrevida, sedutora, morria de ciúmes de mim, mas quando soube que eu tava de rolo com uma secretária lá do trabalho, ela tratou a moça muito mal durante um almoço aqui em casa, até estranhei, pedi mil desculpas para minha ficante e depois que ela foi pra casa fui conversar com a Alice putaço de raiva. Falei que tinha dito mil coisas boas sobre ela e não merecia aquela desfeita, mas ela só respondeu que não gostou da Alessandra.

Enfim, ela fazia carinha feia toda vez que eu dizia que ia encontrar a Ale, e um dia ela foi com as meninas aqui do prédio para uma boate que fica aqui próximo de onde moro. Essa menina voltou pra casa bêbada cantarolando e me acordou. Fui ver se tava tudo bem, afinal eu me preocupo com ela e minha irmã me mataria se algo rolasse. Ela então me deu um abraço forte, tava com um hálito de quem tinha tomado todas.

Nesse abraço meu pau ficou duro na hora. Fiquei me sentindo mal de me aproveitar da situação dela mas não aguentei, era era gostosa demais e bêbada era totalmente sexy, tinha um olhar de putinha que me deixou louco. Eu me afastei, mas ela veio e disse:
– Quebra o abraço não tio! tá gostoso! Senti saudades do senhor.

Ela começou a me beijar no rosto e falar que não queria que aquele abraço acabasse nunca, e eu ali de pau duro e ela nem disse nada. Eu entrei no clima, abracei ela bem forte pra ela sentir mais meu pau, porque se ela não reclamou e nem quis sair do abraço, alguma coisa tinha. Então ela saiu e disse para eu sentar no sofá com ela, que ela tava cansadinha porque tinha dançado muito.

Me sentei e ela veio sentando no meu colo. Que safada minha sobrinha, percebeu que eu tava de pau duro e mesmo assim sentou na minha pica, aí não teve como segurar. Ela se fez de desentendida e perguntou sobre o filme que eu tava vendo na TV.
– Já assisti esse filme tio, é muito bom, a gente podia assistir juntos de novo né? – Eu respondi que sim e abracei ela pela cintura para aumentar o contato. Nessa hora a Alice soltou um suspiro gostoso e sentou mais forte no meu colo. Eu já sabia que ela queria e não ia ficar de enrolação, então comecei a me mexer devagar, só pra ela sentir minha rola roçando no seu rabinho.

Ela suspirou de novo, se virou de frente pra mim toda selvagem e enfiou sua língua gostosa na minha boca enquanto arranhava minhas costas. Eu peguei ela no colo e antes perguntei:
– Tem certeza disso? Se rolar não tem mais volta! – ela respondeu que tinha certeza e que sempre quis isso, que a muito tempo ela era apaixonada por mim, só tinha medo da minha reação.

Depois disso com ela no meu colo, levei minha sobrinha para a cama, era mais espaçoso e com o ar condicionado ligado a gente podia fazer o barulho que fosse. Ela ficou deitada me olhando toda sensual, levantei seu vestidinho, tirei sua calcinha branca rendada que tava bem molhadinha a essa altura do campeonato, e dei uma boa cheirada na sua bucetinha maravilhosa.

Ela deixava um caminho de pelos loirinhos que eu fiquei louco com isso. Eu queria aproveitar cada momento, eu quis tanto comer ela. Eu então comecei a beijar as laterais das suas coxas e fiz ela gemer bem gostoso. Lambi, fui beijando seus grandes lábios e abri sua bucetinha com as mãos para minha língua entrar, aí ela se contraiu e soltou um gemido bem gostoso.

Comecei a chupar, fazendo movimentos circulares, para cima e pra baixo, brincando de todas as formas com a língua. Ela gemeu e disse:

– Aiiiiiiii tio, não para! Você chupa tão gostoso, tô adorando sua língua enfiada na minha bucetinha, aiiii que delícia, chupa mais vai, mete mais fundo.

Nem preciso dizer que meu pau tava explodindo de tesão, chupei a safada até ela ter um orgasmo na minha boca. Aí ela ficou toda sorridente, relaxada e eu disse que queria mais, então abri mais ainda suas perninhas, deixei ela toda arreganhada mesmo e fui subindo em cima dela com medo de machucar por ela ser bem magrinha, mas quando fui metendo ela mesma com pressa foi me puxando para o meu pau entrar todo de vez e meu peso cair sobre ela.
sobrinha
Nossa, que tesão! A buceta dela espremia meu pau, era muito apertadinha, enquanto eu metia nela a safada colocou a mão entre a gente e começou a brincar com seu grelinho, depois me arranhava, mordia minha orelha e gemia. O tempo todo ela me chamava de tio, acho que a putinha tinha o fetiche de usar essa palavra o tempo todo enquanto eu comia ela. Fiquei num vai e vem louco, meu pau todo atolado na sua buceta as vezes escapava de tão molhada que ela tava. Eu meti sem dó, as vezes ela gemia de dor mas pedia para eu não parar.

Eu então levantei, ela reclamou e disse que tava gostoso, que não era para ter parado.
– Quero te comer de quatro agora, quero ver você toda empinadinha pra mim rebolando essa bunda gostosa no cacete do tio. – Eu disse e ela já foi empinando.

Seu cuzinho é delicioso, todo clarinho, lisinho e bem apertado, me deu vontade de comer mas ela não deixou, então me contentei em foder sua bucetinha apertada. Comecei a meter nela de quatro e ela só rebolando. Ela era muito puta na cama, bem diferente da sobrinha tímida que eu achei que tinha. Ela tava suada, gemia, pedia mais pica, falava muita putaria. Nesse ritmo eu que não aguentei mais e gozei gostoso dentro da sua buceta.

Era o que eu mais queria quando fantasiava com ela, gozar dentro daquela bucetinha gostosa e ver minha porra escorrendo de dentro. Ela começou a enfiar os dedos e mostrar eles melados com minha gala, depois ela veio e chupou meu pau todo lambuzado até ficar duro de novo e eu novamente gozar, dessa vez na sua boquinha. Adoro minha sobrinha, não tem foda mais gostosa que as que rolam com ela.

Contos relacionados

© 2018 - Ler Contos Eroticos