Minha cunhada me deu a bucetinha

  • 20 de novembro de 2020
  • 2200 views
2 votes

Meu nome é Lorenzo(*), tenho 40 anos e sou casado com Daiana(*) há mais de 20 anos. Eu sou branco, bronzeado, 1,77m, 92kg, bonito, modéstia à parte. A Daiana é uma loira artificial de 1,75m, 70kg, olhos verdes, muito gostosa e simpática, na flor dos seus também 40 anos de idade.

Temos uma vida sexual muito ativa, tanto por mim, quanto por ela ….. tive muita sorte na escolha, além de sermos cúmplices e parceiros muito abertos e francos. Nunca faltaram fantasias e papos eróticos durante nossas transas. Lembro do dia em que a Daiana me confessou que queria me ver transando com outra mulher, junto com ela. A partir deste dia, não faltaram opções no imaginário, e nem energia para performances duradouras.

Imaginávamos amigas, casadas ou solteiras, junto conosco, transávamos chamando-a pelo nome da “outra”, falávamos sobre os detalhes, o que faríamos na cama com a tal pessoa, etc. Tudo era muito bom no campo da imaginação e sempre conversamos sobre realizar a fantasia, mas nunca colocamos muita prioridade nisso, talvez por medo, ou receio disso vir a público, etc. Certa vez, fomos a um clube de swing, somente para assistir, o que nos deu inspiração por muitos meses.

Certa vez, a Daiana me perguntou com quem eu gostaria de transar…. já tendo esgotado o acervo de amigas, lancei o jogo para a minha cunhada, só para testar a temperatura, rsrsrs. A primeira reação foi negativa, principalmente sobre as implicações de estarmos em família e como seria a relação com a cunhada a partir daí. A minha cunhada Cristina(*) é uma linda morena Daiana, 31 anos, estilo índia, com 1,70m de altura, 65kg, cabelos pretos, olhos castanhos, seios siliconados, um tesão de mulher.

Apesar da negativa inicial, continuei manifestando minha vontade de transar com minha cunhada, e a Daiana foi amaciando ……. e depois passou a curtir a idéia. Minha principal consideração era que teria que ser uma parceira de confiança, saudável, de hábitos sexuais seguros e, principalmente, atraente.

A Cristina também é casada há uns 15 anos e o marido é muito legal, e segundo ela, comparece direitinho nas atividades entre quatro paredes. Apesar de bem servida no sexo, parece que eles ainda não falam abertamente sobre as fantasias de um e de outro, assim como Eu e Daiana.

Em nossos encontros de família, eu percebia que ela tinha desejos que poderiam ter sido experimentados ainda na fase de solteira, mas que, por inibição ou respeito aos costumes, não foram satisfeitos. Como moças de família, qualquer prática fora do script padrão poderia ser condenável. Mas o tempo passa e a percepção de finitude da vida vem nos provocar … aí nos questionamos sobre o que fizemos, e sobretudo, sobre o que não fizemos na vida.

Nos papos mais reservados, já sob efeito de uns vinhos, a Daiana e a Cristina falavam sobre a vida sexual, suas vontades e os desempenho dos maridos na cama. Neste ponto, a Daiana dizia que eu tinha energia para duas mulheres e que poderia até me liberar se houvesse interesse, meio que sondando o terreno para o que viria a seguir.

O dia que comi minha cunhada e realizei meu desejo

Certa vez, a Cristina veio passar o final de semana conosco, ela estava sozinha e aproveitou para fazer umas compras e visitar uns parentes.

No sábado, recebemos uma vista de um casal amigo, Túlio(*) e Marcia(*), e bebemos o dia inteiro, com boa música e bom papo. Depois deles terem ido embora, continuamos a conversa entre nós três…..e descambamos o assunto para o sexo.

Confessamos que tínhamos a fantasia de sermos filmados durante uma transa e a Cristina logo se candidatou a cinegrafista. Ela também disse que não saberia como se portar caso sentisse tesão durante o evento. Propus que fôssemos a um motel e usássemos mascaras, para caso o filme vazasse. A conversa foi animando e ela foi logo se excitando com a ideia.

O assunto do filme ia e voltava nas nossas conversas, até que propus um ensaio geral, naquela hora mesmo, somente para quebrar o gelo e desinibir. Minha cunhada Cristina ficou entusiasmada, mas a Daiana não quis, talvez pelo efeito surpresa. Continuamos o assunto e eu disse à Cristina que tínhamos a fantasia de ter outra mulher na cama e que várias amigas já passaram na nossa imaginação, citando algumas delas…..ela ficou curiosa e perguntou sobre quem mais poderia fazer parte do cardápio….aí eu disse que ela também era figura rotineira nas fantasias. Aproveitei e emendei dizendo que achava ela uma mulher atraente, gostosa, tesuda, etc e que se ele quisesse algo do tipo, estaríamos abertos. Acho que ela deve ter gostado muito da informação.

A partir daí a Cristina ficou provocando ainda mais a minha esposa Daiana para que fizéssemos o tal filme, ou melhor, o ensaio, naquela mesma hora. Minha esposa disse que não estava no clima e que estava cansada, eu também tentei insistir, até dando umas apalpadas nela, mas depois de um dia inteiro de vinho, cerveja e papo, ela estava desanimada.

A partir da insistência, a Daiana disse: “Porque vocês não transam? Eu libero o Lorenzo!” Uau… aquilo foi como um raio, meu pau já endureceu e fiquei ofegante. Será que realizaria minha fantasia naquele mesmo dia? Pensava sem parar nesta possibilidade. A Cristina falou que topava!!

A Cristina nunca teve outro homem na vida, além do marido, casou virgem e nunca tinha sequer sentido qualquer coisa diferente. Ela disse que queria ver meu pau…mostrei e ofereci para ela pegar……hesitou um pouco, mas sentei ao lado dela e puxei a mão dela por cima do meu short….ela apalpou, sentiu e depois tirou a mão, sentindo incomodada pela Daiana que estava sentada na nossa frente. A Daiana a tranquilizou que estava tudo bem e que fizesse tudo que quisesse, rsrs. Mesmo assim, ela continuava meio cautelosa, e nervosa com a situação completamente nova para todos.

Demos um tempo na conversa e, depois de uns rodeios, confessei que nunca tinha visto ao vivo, e apalpado, uns seios siliconados, que ela tinha e me atraia a atenção ….., perguntei se eu poderia tocá-los, ela disse que sim, mas não se mexeu……aí eu fui até ela novamente e a peguei pelas mãos e a abracei por trás, apalpando aqueles seios maravilhosos e durinhos, descendo as mãos pela barriga, até sua vulva, já melada de tesão por toda a situação. Aproveitando a proximidade, já pressionei meu pau duro na bundinha dela, por cima do vestido. Virei-a e abocanhei aqueles peitinhos, um de cada vez, alternando com lambidas nos biquinhos, ao mesmo tempo que passava a mão na bucetinha melada, sedenta por sexo. Ela gemia baixinho, e as vezes, refreava o sentimento de tesão…interrompendo clima.

Aí eu disse a ela que aquilo era a manifestação da nossa forte vontade de transar com ela e que ficasse à vontade, conforme suas próprias limitações para seguir adiante com a transa. Depois de um instante, sentamos em uma poltrona e ficamos nos apalpando, ela batendo uma punheta para mim e eu bolinando sua vulva melada, exalando o cheiro do sexo, esperando por um macho para preencher o vazio que sentia.

De modo surpreendente, ela se levantou e quis que eu a penetrasse ali mesmo, sugeri que fossemos para o quarto…no caminho, ainda tentamos uma penetração em pé mesmo, ainda vestidos, meio sem jeito, e quase caímos no chão….rsrsrs. A Daiana permaneceu na sala, deixando-nos completamente à vontade. Chegando no quarto, a Cristina se deitou…..eu logo fui para cima dela, levantei o vestido longo, puxei a calcinha para o lado, meu short para o lado também e encaixei deliciosamente minha rola naquela bucetinha de um homem só…. abri a parte de cima do vestido e abocanhei novamente os peitos siliconados, iniciando um movimento de vaivém com a cintura, encontrando o melhor gingado para satisfazer aquela gostosa.

A Cristina levantou as pernas e expos toda a bucetinha para socar fundo, aumentando o ritmo, e falando coisas no ouvido dela….que ela era um tesão, que eu tinha muita vontade de fuder com ela há muito tempo, que eu estava disponível para satisfazer as fantasias dela quando ela quisesse (e minha esposa deixasse…rsrsrs). O movimento foi aumentando a amplitude e forca, e ouvia que ela estava gozando…..dizendo que eu era muito gostoso e que estava adorando…. e eu seguia aproveitando o momento e segurando o gozo, dando umas estocadas fortes, alternando com movimentos leves.

Ela propôs ficar de quatro, e eu pedi para ficar mais um tempo naquela posição….não aguentei….gozei dentro dela, enchendo bucetinha de porra e continuei bombando por mais um tempo. Trocamos a posição para de quatro e coloquei o pau melado para trabalhar novamente…que visão…minha cunhadinha gostosa, ali, na ponta da minha pica, rebolando e pedindo mais….que loucura! Ficamos ainda mais alguns minutos, com eu a penetrando de quatro, apertando os peitos com forca, e ela gozou mais uma vez…..aí paramos.

Deitamos e ficamos conversando sobre a aventura, novidade para nós. Logo depois veio a Daiana e se juntou a nós para conversar. Acredito que pela confiança mútua, não houve um clima de desconforto no ar. A Cristina relatou o que aconteceu, o que fizemos e disse que da próxima vez, nós estaríamos os três juntos para mais uma aventura.

Depois de alguns dias, ainda estava incrédulo pelo que havia acontecido, satisfeito pela realização da fantasia e feliz por ter uma esposa como a Daiana!

Espero que este tenha sido só o primeiro capítulo da série.

(*) Nome fictício.



Leia Contos eroticos relacionados

Deixe seu comentário

Ler Contos Eróticos Reais Grátis.
© 2011 - 2020 - Contos Eróticos: Histórias Reais de Sexo, Contos Pornô

porno - contos eroticos - contos eróticos - quadrinhos eroticos - xvideos - Filmes Porno - Porno Brasileiro

error: